Na Vila, pressão para saída de Leão!

Leão vê motivação financeira em protesto

Treinador insinua que grupo de descontentes recebe para xingá-lo nos jogos

manchete-santos-2.jpg

Mesmo com a vitória por 3 a 1 (assista aos gols no vídeo) sobre o Guarani, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, um grupo de torcedores santistas protestou pedindo a saída do técnico Emerson Leão. O treinador, porém, deu de ombros e insinuou que o descontentamento desse grupo teria motivação financeira. Os protestos foram isolados e vieram das arquibancadas de fundo do estádio alvinegro. Nos outros setores, o técnico foi aplaudido.

Leão acredita que esses torcedores são pagos – ele não diz por quem – para pedirem sua cabeça.

– Tenho 44 anos de futebol e sei quando a coisa vem do coração e quando  vem do bolso. Essa é a diferença – afirma Leão.

O comandante alvinegro garante que vai continuar fazendo o seu trabalho sem se preocupar com qualquer tipo de manifestação de tocedores.

– Vamos fazer o Santos subir, independentemente da vontade dos outros. Não estamos aqui para julgar torcedor. Estamos aqui para trabalhar pelo Santos. E é isso que eu vou fazer.

Conselheiros e assessores do presidente santista querem demissão do treinador

Agência
Leão garante: não vai se demitir. Ele ainda não assinou contrato

A pressão sobre o técnico Emerson Leão é forte na Vila Belmiro. Conselheiros e assessores do presidente do Santos, Marcelo Teixeira, tentam convencer o mandatário a demitir o técnico após a derrota para o Rio Preto, lanterna do Paulistão 2008, no último domingo. Por enquanto, Teixeira vem resistindo à insistência dos cardeais alvinegros. Só não se sabe até quando.

Nem mesmo uma multa contratual serve de argumento para que o presidente segure o treinador. O acordo entre Leão e Santos está apenas apalavrado. Até o momento, o técnico ainda não assinou um contrato formal com a equipe alvinegra. Esse é o principal argumento dos descontentes com o trabalho de Leão que gravitam em torno de Teixeira. O presidente, no entanto, ainda não tomou nenhuma decisão. Principalmente porque não existe alternativa viável no mercado. Dorival Júnior e Vagner Mancini, que estão disponíveis, são considerados inexperientes para assumir o comando da equipe na Taça Libertadores.

No início da tarde desta segunda-feira, chegou a circular o boato de que o treinador teria entregado o cargo. Por intermédio de sua assessoria de imprensa, Leão nega e garante que nem cogita tomar tal atitude.

Sem medo de pressão

Somente uma vez em sua carreira o treinador santista pediu demissão pressionado por crise: foi no Cruzeiro, em 2004. Coincidentemente, ele estava desistindo de comandar um clube que havia sido deixado por Vanderlei Luxemburgo, assim como o Santos atual.

Nas outras duas vezes que quebrou contrato com um clube foi por causa de melhores propostas de trabalho. Primeiro foi em 2005, quando ele entrou em acordo com a diretoria do São Paulo, após conquistar o Paulistão, para dirigir uma equipe no Japão. A outra foi em 2006, quando rescindiu seu contrato com o São Caetano para trabalhar no Corinthians.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: