Chivas 3 x 2 Santos

gora é ganhar na Vila Belmiro

Agência/EFE

Colombiano Molina tem atuação apagada em Guadalajara. Peixe precisa vencer o Cúcuta, quarta, para não depender de resultados

Peixe perde para o Chivas e adia definição

Alvinegro leva um sufoco na primeira etapa, se recupera no fim, mas ainda não tem vaga

Molina tem atuação apagada e não consegue ajudar o Peixe em Guadalajara

Nem a presença do Rei Pelé no estádio Jalisco foi suficiente para inspirar o Santos no confronto contra o Chivas, nesta quarta-feira à noite, em Guadalajara, pela Taça Libertadores. Após sofrer muito sufoco no primeiro tempo, o time santista, que precisava de um empate para passar às oitavas-de-final, até conseguiu se acertar na etapa final, mas não o suficente para evitar a derrota por 3 a 2.

Com o resultado, o time mexicano segue vivo na competição. Vai a seis pontos e deixa a lanterna do Grupo 6. Está em teceiro lugar. Já o Peixe, com sete, permanece em segundo. Depende apenas de si para garantir a classificação às oitavas-de-final (basta vencer o Cúcuta-COL, em casa, dia 16), mas não pode mais alcançar a liderança da chave, que é dos colombianos, com 11 pontos.

Para se classificar, o time mexicano precisa vencer o San José-BOL, em Oruro (Bolívia), na última rodada, e torcer para que o Santos não vença o Cúcuta.

Primeiro tempo: Chivas aperta, e Peixe só acorda no fim

Foi o primeiro tempo de um time só. O técnico do Santos, Emerson Leão, resolveu mudar a formação de sua equipe e, em vez de escalar o meia Rodrigo Tabata, preferiu colocar mais um zagueiro: Fabão. Com gente demas na defesa e escassez de criatividade no meio, o Peixe ficou encurralado, sofrendo pressão desde o início.

Sem conseguir segurar a bola na frente, o Peixe deu campo para o Chivas jogar. E os mexicanos, precisando vencer de qualquer maneira, mostraram muito mais disposição, ocupando espaços e tocando bem a bola, sob o comando do camisa 10, Medina. Logo aos quatro minutos, Domingos salvou de barriga um chute de Santana.

Os mexicanos insistiram tanto que não tardaram a abrir o placar. Após cruzamento na área, Domingos e Fabão bateram cabeça, e a bola sobrou para Arellano afundar de pé direito.

Só dava Chivas. A pressão era impressionante. O trio de zagueiros do Peixe não conseguia ganhar nenhum lance pelo alto. E foi em uma jogada por cima que saiu o segundo gol. Aos 34, Morales cruzou da direita e Rodríguez subiu livre para cabecear, encobrindo Fábio Costa. Após o segundo gol, Domingos, que falhou nos dois gols, acabou substituído por Evaldo.

Ao fim da primeira etapa, quando conseguiu colocar a bola no chão, o Santos levou perigo, principalmente com Kléber Pereira. O artilheiro teve chance aos 36, quando recebeu bom passe de Rodrigo Souto, entrou pela esquerda, mas em vez de chutar preferiu tentar driblar o goleiro Michel e acabou desarmado. Aos 39, acabou brilhando a estrela do atacante. Molina cobrou escanteio pela direita, o goleiro saiu mal e Kléber empurrou o zagueiro Magallón, que jogou a bola para dentro das redes. O gol foi dado para o artilheiro santista. Um gol, aliás, para dar um certo alívio aos santistas, pois os mexicanos poderiam ter goleado já na primeira etapa.

Segundo tempo: Peixe equilibra, mas não consegue empate

O Chivas voltou para o segundo tempo no mesmo ritmo do primeiro: tocando a bola com velocidade e encurralando o Peixe. Logo no primeiro minuto, mais uma vez a defesa santista ficou a ver navios, quando Medina passou lotado por Evaldo e cruzou para Santana completar de cabeça para o gol.

Mesmo marcando o terceiro gol, os mexicanos continuavam com muito apetite e seguiam encurralando o time santista, que, atordoado, não acertava dois passes seguidos.

Assim como aconteceu no primeiro tempo, o jogo mostrou que bastava o Peixe colocar a bola no chão e acertar o passe para conseguir sair de trás e criar algo. Foi assim que, aos 11, o time conseguiu uma falta na meia direita. Na cobrança, o lateral Kléber foi certeiro no tiro de canhota e acertou o canto esquerdo. O Peixe estava vivo.

Não só vivo, como melhor em campo. Kléber foi para o meio-de-campo e passou a dar qualidade na saída de bola. Rodrigo Souto também cresceu no jogo. Com isso, o Peixe saiu de trás e aplacou a pressão dos mexicanos. Os passes começaram a sair com correção, e o time praiano criou chances, como aos 30, quando Kléber Pereira tabelou com Wesley,  mas chutou de direita por cima.

Como o Santos saía mais, o Chivas encontrou espaços para atacar, e, aos 35, Medina teve chance de matar o jogo. Ele saiu de frente para Fábio Costa, mas exagerou na força e mandou por cima do gol.

O Alvinegro Praiano tentou apertar no fim, passou a cruzar a bola dentro da área dos mexicanos, mas não conseguiu o gol que lhe daria a classificação.


A FICHA DO JOGO

Gols: Arellano, aos 12, Rodríguez, 34, Kléber Pereira, 39 minutos do primeiro tempo; Santana, a um minuto, e Kléber, aos 11.

Cartões amarelos: Domingos, Evaldo. Wesley (Santos), Solís, Pineda, Rodríguez, Reynoso (Chivas)

Árbitro: José Buitrago (Colômbia)
Auxiliares: Wilson Berrío (Colômbia) e Javier Camargo (Colômbia)
Data: 9/4/2008
Estádio: Jalisco, em Guadalajara (MEX)

CHIVAS-MEX 3 x 2 SANTOS
Michel
Rodríguez
Reynoso
Magallón
Solís
Pineda
Morales (Araújo)
Medina
Ávila
Santana (Esparza)
Arellano (Omar Bravo)
T.: Efraín Flores
Fábio Costa
Dênis (Quiñonez)
Betão
Domingos (Evaldo)
Kléber
Marcinho Guerreiro
Rodrigo Souto
Rodrigo Tabata
Molina (Tiago Luís)
Wesley
Kléber Pereira
T: Emerson Leão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: